Live destaca a presença do técnico agrícola em todas as etapas da cadeia produtiva

SINTARGS e SIPARGS firmam Convenção Coletiva de Trabalho para Técnicos Agrícolas empregados do segmento avícola
31 de agosto de 2021
Sintargs realiza visita de cortesia na Casa da Emater na Expointer 2021.
6 de setembro de 2021

Live destaca a presença do técnico agrícola em todas as etapas da cadeia produtiva

Debate realizado pelo Sintargs abordou questões importantes para a categoria e o seu trabalho relevante em feiras e exposições

O Sindicato dos Técnicos Agrícolas no Estado do Rio Grande do Sul (Sintargs) realizou nesta quarta-feira, 1º de setembro, no Canal Agrotécnico, seu canal no YouTube, live com o tema “O Trabalho do Técnico Agrícola em Exposições e Feiras”. O encontro virtual debateu  a importância da atuação dos profissionais da categoria na organização de eventos como, por exemplo, a Expointer.

Participaram do debate o presidente do Sintargs, Luís André Sasso, o diretor de Finanças da entidade, Jéferson Rosa, a extensionista da Emater/RS, Mariane Mendes Lopes, o servidor aposentado do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Carlos Eduardo Martins de Souza, e o consultor técnico em máquinas agrícolas, Vitor Hugo Baratieri, e o vice-presidente social da entidade e servidor da Secretaria da Agricultura Jonas Marcelo Fernandes.

O presidente do Sintargs iniciou a live ressaltando o uso de novas ferramentas, como o YouTube, para divulgar à sociedade o papel do técnico agrícola na cadeia produtiva. Conforme Sasso, trata-se de um profissional que ajuda a melhorar a qualidade da produção e também a rentabilidade do produtor. “Hoje, com o retorno da Expointer tendo novamente a presença do público, é muito importante debater a importância do técnico agrícola que sempre esteve na construção e na efetivação deste evento, assim como de outras feiras e leilões que são uma vitrine do setor agropecuário”, colocou.

Sasso afirmou, ainda, que o Sintargs, ao defender a categoria, busca a sua valorização, o seu reconhecimento, por meio de um olhar diferenciado tanto do poder público quanto do setor privado. “Temos paixão de fazer parte desta ciranda da vida que é produzir. A nossa profissão tem na sua essência o trabalho em grupo, respeitando um ao outro”, afirmou, destacando a presença na Expointer de técnicos agrícolas atuando em diversas áreas, como no recebimento dos animais, na capatazia, na administração, na emissão de GTAS e na fiscalização do parque, entre outros.

O servidor aposentado do Irga, Carlos Eduardo Martins de Souza, lembrou que desde a formação na escola agrícola até o início do trabalho na atividade, a Expointer sempre chamou a  atenção. Observou que a feira é um dos maiores eventos para a categoria. “A casa do Irga no parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, se transforma em um escritório para a troca de informações”, afirmou. Destacou, no entanto, a difícil situação que a autarquia vive neste momento.

Conforme Souza, as feiras são momentos importantes para mostrar ao produtor como é o trabalho, lembrando que o Irga monta lavouras experimentais nestes eventos. “Muitos chegam procurando informações de como iniciar o plantio de arroz, por exemplo, e o técnico agrícola apresenta as novas tecnologias”, destacou, colocando, ainda, a divulgação pelo Instituto de dados oficiais como produção, produtividade e projeções de safra.

Para o consultor técnico em máquinas agrícolas, Vitor Hugo Baratieri, o trabalho da categoria no Parque de Esteio é essencial e tem sido muito procurado pelas empresas do setor privado. Lembrou que nos estandes das máquinas há sempre um bom número de técnicos agrícolas. “Em geral, as concessionárias buscam esses profissionais, especialmente para o atendimento no pós-venda,” pontuou.

Segundo Baratieri, ao completar um giro de visitas em onze escolas agrícolas para falar sobre os desafios da operação e manutenção de tratores, observou que muitas destas instituições estão sem pessoas habilitadas para tratar deste tema. Salientou que é preciso criar mecanismos para levar aos alunos a força do técnico agrícola e mostrar que estão recebendo uma formação respeitada e com um amplo mercado de trabalho. “A tendência das máquinas agrícolas é ter cada vez mais tecnologia e serão necessários profissionais capacitados para atender a esta demanda”, concluiu.

Já a extensionista rural da Emater, Mariane Lopes  ressaltou o envolvimento dos técnicos agrícolas com o trabalho de ponta a ponta da cadeia produtiva, desde a gestão até a comercialização. “Atuamos com obrigações sanitárias, controles de ectoparasitas e verminoses, produção de leite, melhoramento do campo nativo”, afirmou a especialista em inseminação de bovinos e melhoramento genético. “A participação em feiras sempre é uma via de mão dupla, nós levamos e absorvemos conhecimento”, salientou.

Nesta linha, o diretor de Finanças do Sintargs, Jéferson Rosa, falou que, mesmo o técnico agrícola sendo uma formação de ensino médio, a maioria dos profissionais possuem graduação em áreas complementares e/ou pós-graduação. “Isso qualifica nosso trabalho, porque o técnico nunca foge da origem dele, continua sendo técnico, isso está na sua essência”, pontuou.

De acordo com Rosa, o Rio Grande do Sul tem 65 mil técnicos envolvidos em alguma atividade agropecuária, seja na pesquisa, indústria, consultoria, fiscalização. “Colegas pensam que somos uma categoria fraca, o que não é verdade. Temos um conselho próprio e independência para desenvolver nossas atividades. Somos grandes e fortes. E nosso Canal Agrotécnico no Youtube veio para mostrar o dia a dia e sua importância para a economia”, lembrou.

Por fim, o vice-presidente social do Sintargs, Jonas Marcelo, focou na própria Expointer e os bastidores necessários antes, durante e depois da realização da feira. “Para que a Expointer tenha animais, temos de prezar pela sanidade deles, e o processo começa quando o colega técnico cria um cadastro para a propriedade que futuramente vai expor no parque. Fazemos visitas, fiscalizamos, orientamos o transporte. O técnico faz parte de todo o conjunto. Quem chega para visitar não tem noção do que acontece para que o parque esteja pronto para receber o público. Vai desde a recepção dos animais e pessoas até a pintura do meio-fio e administração. Hoje, a figura destes profissionais no sistema de produção primário é uma das engrenagens mais importantes”, avaliou.

 

Veja a live no link abaixo

https://www.youtube.com/watch?v=MQGNOSejBqQ

 

Os comentários estão encerrados.