O Desabafo do Marreco, um agricultor “criminoso”.

PRODUÇÃO DE CORDEIROS A CAMPO  
28 de setembro de 2020
ETANOL: A SALVAÇÃO DA “LAVOURA’’
2 de outubro de 2020

O Desabafo do Marreco, um agricultor “criminoso”.

Por Luiz Roberto Dalpiaz Rech

Técnico Agrícola – Presidente do SINTARGS

Dias desses resolvi visitar o “Marreco”. Pensei comigo, visitá-lo durante a semana será um desperdício, afinal, o trabalho na roça não tem descanso.  “Marreco” deve estar removendo a terra com arado de bois, realizando alguma roçada, ou simplesmente, limpando o feijão preto em alguma roça do morro.

Enganei-me. Ao chegar às proximidades da casa já o avistei, sentado a varanda, olhando firme o horizonte.

Comentei com a minha esposa. O “marreco” só pode estar doente para estar assim, plantado que nem pé de couve. Mal estacionara o carro, fomos recebidos com euforia pelo guaipequinha faceiro, que contrastava com o semblante sério e sizudo do tio agricultor.

Depois de um – “sai pra lá vinagre” –  meio anasalado, o “marreco” veio em nossa direção a passo lento, mas, com ares de decidido.

Pués então sobrinho, que ventos te trazem aqui?

– Saudades da terra e de todos, tio “marreco”, respondi.

Pués então, tchê, mate logo a saudades antes que eles nos expulsem daqui.

– Como assim tio, quem é que quer te expulsar, se a casa é tua, a propriedade também (foi herdada do meu avô), não estou entendendo, afirmei.

– Mas então tu não sabes? – perguntou meio assombrado. –  Tá todo mundo dizendo que nós da agricultura familiar estamos destruindo o meio ambiente.

“Veja só: o sítio de meu pai, que agora é meu, fica a 17 km da cidade.  A água do poço daqui lembra? Limpa, pura, que a vovó servia pra ti e os primos, nos arretouços da infância? Pois é a mesma água com que ela criou 5 filhas e seis filhos. Não faz muito, um homem do governo passou aqui e disse que tenho que fechar o poço, fazer uma tal de outorga, pagar umas taxas e mais um monte de coisas.

Eu lhe disse: – Moço, mas foi meu pai que cavô… E ele respondeu: é um caso de saúde muito sério! – e foi embora.

Sem falar na produção do fumo, sobrinho. Antes, eu, a mulher e tua prima Lia, dávamos conta do recado, mas tive que mandar a Lia pra cidade, depois que vi uma reportagem na televisão: eu podia ser acusado de exploração de menor! Já pensou? Ela me ajudava muito no cultivo do fumo; ficando sozinho, tu sabes como tudo é trabalhoso, arar a terra, preparar as mudas, plantar, colher, secar na estufa, fazer manoco, prensar, tive que contratar um ajudante. Ainda te lembras do Rui? Pois é, se foi para cidade e pediu trabalho para o filho dele, que não tinha nem onde morar. Assinei-lhe a carteira, como manda a lei. E dei-lhe o quarto da nossa filha. Faceiro, que nem gringo de tamanco novo, já fazia parte da família. Mas vieram umas pessoas  da Delegacia do Trabalho, e falaram que se o empregado (para mim – um filho!) fosse cuidar da estufa à noite, tinha que receber adicional noturno, e que não podia trabalhar nem sábado nem domingo. Tu já trabalhaste no fumo, né, sobrinho, então tu sabes do que estou falando. Como é que vou desligar a estufa e parar a secagem nos finais de semana? Ele também me ajudava no leite, que é outra fonte de renda aqui em casa, garantida pela Cooperativa que compra a produção. Como vou dizer pra vaquinha que agora o leite tem dia e hora pra ela soltar?

O pessoal da Delegacia do Trabalho foi examinar o quarto do empregado. Acharam a cama curta, claro, era da minha filha, menor que ele. Olha, sobrinho, se ele ficava com os pés de fora, pra mim nunca se queixou! Ainda bem que eu tinha trocado, uns dias antes,  o lampião a querosene pela luz que recém chegou através do programa do governo, senão iam me processar por isso também.

Sabe a comida gostosa que tua tia faz? O Vanil, nosso empregado, comia com a gente na mesa (era, como eu disse, da família!). Explicaram-me que, por lei, a comida tinha que integrar o salário dele. Quando foram embora, cheio de tristeza, chamei o Vanil e não contendo as lágrimas, o despedi. No outro dia ele pegou o ônibus e foi pra cidade. Depois, disso, a última notícia que tive dele é que foi parar numa delegacia, o agrediram  e ficou deficiente de um ouvido.

Sem a ajuda do Vanil parei com o fumo. Comprei mais uma vaquinha e a mulher ajuda, apesar das dores que adquiriu nas cadeiras e da bexiga caída desde que ganhou a nossa filha. Às 5 da manhã eu levo o tarro até a estrada e espero pacientemente o caminhão da Cooperativa. Se chove, nem saio de casa. O riacho enche e quem se diverte com o leite são os porcos. Melhor, se divertiam, hoje o leite vai todinho fora.

Agora, vieram outros homens aqui, e um policial, dizendo que eu tinha que encerrar a criação de porcos, pois o chiqueiro estava a menos de 20m do riacho. Deram-me um prazo para resolver o problema. Medi aqui, medi ali e nada de conseguir chegar aos 30 metros exigidos. Ganhei uma multa tão pesada, que nem a nossa mula podia carregar! O dinheiro da venda dos porquinhos, das tábuas e das telhas foi insuficiente para pagar. Tive que recorrer a uma poupancinha da minha filha, que juntara durante anos para quando casasse. Deu processo, fui chamado pelo promotor. Tive que levar junto um advogado, tentei lhe pagar com o leite da Malhada e meia dúzia de ovos da Marilu, mas ele não aceitou. Ainda bem que a Cooperativa me salvou de novo. Condenado, tive que pagar 2 cestas básicas e dar para uma comunidade carente. Disseram que eu estava poluindo o rio e poderia até ser preso.

Já pensou eu na prisão, sobrinho? O que iam dizer de mim na comunidade? Com que cara eu iria à missa aos domingos, à cancha reta, ao jogo do osso?  Eu seria capaz de cometer uma bobagem!!

Então eu te pergunto: lá onde tu moras, na cidade grande, também tem rio, riacho ou coisa parecida? Tem! Quer dizer que cada um que joga alguma coisa no rio também é multado? Coitada dessa gente! Se aqui é assim, imagina lá. Deve ter muito mais gente multada, e não deve existir nenhum tipo de lixo…

Só sei que aqui no mato a gente não pode sujar o rio. Muito menos cortar uma árvore, tirar um cabo de ancinho, de enxada ou de machado sem autorização do pessoal do batalhão ambiental.

Noutro dia multaram o Nozari. Lembra do Nozari, né, que estudou contigo? Jogava uma bola! Ganhando um dinheirinho na cidade, voltou pra cá pra cuidar da terra do falecido pai dele. Pois então, juro pelos meus olhos: ele levou uma multa do batalhão, tão grande, que nem vendendo tudo o que tem na vida paga a metade dela. É um dinheirão. Ele até contratou um doutor para recorrer. O crime dele foi querer plantar. Tinha que ver o desencanto dele. Chegou a dizer pra mim: “marreco”, eu não sabia que não podia aumentar a área da minha rocinha. Se pelo menos tivesse falado no colégio o meu filho teria avisado.

E, para variar, comigo aconteceu algo parecido com o Nozari. Sabe aquele pinheiro que o tio Arcanjo havia plantado? Pois é, resolvi aproveitar a madeira antes que destruísse o nosso   galpão.

Ressabiado, fui até o batalhão pedir autorização. Preenchi uns papéis e voltei para esperar o fiscal vir fazer o tal de laudo e, então, autorizar o aproveitamento da madeira. Passou uma semana, duas, três e nada. Cada ventinho que batia eu via o galpão vindo abaixo com a queda do pinheiro. Um dia falei pra mulher: chega de esperar e meti o machado nele!  Dito e feito. Parece que o pessoal do batalhão ouviu o estrondo da árvore e no dia seguinte apareceram  pra me multar.  Logo pensei no caso dos porcos, no promotor, nas cestas básicas. Passei  uns três dias tomando chá de laranjeira para me acalmar. Pensei: se a multa for que nem a do vizinho vou ter que vender o sitio para pagá-la. Se não pagar me processam e ainda sou capaz de perder a terra  e tudo o que consegui até hoje. Não quero ficar com uma mão na frente e outra atrás que nem o Antonio. O caso dele não foi por causa dos homens do batalhão, mas por ter comprado um tratorzinho. A coisa não andou como ele queria, muita seca, produziu pouco e não conseguiu pagar o financiamento. O Banco não perdoou. Sem a máquina, ele vai ter que arar com os bois. É mais trabalhoso e lento, mas fazer o quê!

Tou preocupado sobrinho. Dizem que os deputados estão sendo pressionados a vão aprovar uma nova lei ambiental e que a coisa vai arrochar ainda mais para o nosso lado. O rádio não para de falar nisso. Noutro dia assisti a uma palestra onde um doutor disse que vamos ter que nos adaptar as novas normas que vem por ai. É a tal de reserva legal. A rádio disse que quem tiver uma sanguinha na propriedade, que é o meu caso, vai ter que plantar 30 metros de mata de cada lado.

O homem falou de mais um monte de normas que vamos ter que nos adequar. São tantas que nem lembro direito.

Será que estas novas normas também valem para a pessoal da cidade?

Olha sobrinho, é melhor vender tudo e ir para a cidade grande. Lá não tem problema nenhum. Com o dinheiro do sitio compro uma casinha, com luz elétrica, TV sem parabólica e não precisa criar porco, galinha e produzir alface, leite, queijo, chimia. É só abrir a geladeira e tá tudo ali. Também vou comprar um telefone, muito útil em casos de emergência, e o hospital fica perto. Eu e tu vamos ser vizinhos na cidade. Nem vou contar que vim do interior, senão o promotor vai mandar me prender dizendo que fugi dos meus “crimes” lá no campo!

O “marreco”, para informação do leitor, é meu tio. Temos praticamente a mesma idade. Estudávamos juntos na escola Hilário Ribeiro na comunidade da Barra do Ouro, interior do município de Maquiné. Aos 15 anos eu decidi ir para a cidade. O Marreco ficou.  Ficou com o sitio, cuidando da plantação, respirando ar puro, sentindo o cheiro da mata, vendo o cintilar das águas puras dos rios e ouvindo o pampeano cantar das saracuras. Mal sabia ele que o preço que teria que “pagar” para usufruir deste “paraíso”.

Texto “romanceado”.

16 Comentários

  1. 501349 382376Hey! Good stuff, do tell us when you post something like that! 648167

  2. I am truly grateful to the holder of this website who has
    shared this wonderful post at at this time.

  3. Undeniably imagine that that you stated. Your favorite justification seemed to be on the internet the simplest thing to
    take into accout of. I say to you, I certainly
    get annoyed even as other folks consider worries that they plainly do not know about.
    You managed to hit the nail upon the top as neatly as defined out the entire thing with no need side-effects , other people
    could take a signal. Will probably be back to get more.
    Thank you

  4. asmr on disse:

    Keep on working, great job!

  5. I got this web page from my pal who told me about this web site and now this time I am browsing
    this web site and reading very informative
    content at this place.

  6. on asmr disse:

    Hi, all the time i used to check webpage posts here in the early hours in the morning,
    for the reason that i enjoy to find out more
    and more.

  7. Do you mind if I quote a couple of your posts as long as I provide credit and sources back to your webpage?
    My website is in the exact same niche as yours and my visitors
    would truly benefit from some of the information you provide here.
    Please let me know if this alright with you. Regards!

  8. Spot on with this write-up, I truly feel this web site
    needs a lot more attention. I’ll probably be returning to see more, thanks
    for the information! asmr https://app.gumroad.com/asmr2021/p/best-asmr-online asmr

  9. j.mp disse:

    We’re a group of volunteers and starting a new scheme in our community.
    Your web site offered us with valuable info to work on. You’ve
    done a formidable job and our entire group can be grateful
    to you. scoliosis surgery https://0401mm.tumblr.com/ scoliosis surgery

  10. When I originally commented I clicked the “Notify me when new comments are added”
    checkbox and now each time a comment is added I get four emails with
    the same comment. Is there any way you can remove me from that service?

    Many thanks! quest bars http://j.mp/3jZgEA2 quest bars

  11. tinyurl.com disse:

    I will immediately clutch your rss feed as I can not in finding your email subscription link or newsletter service.
    Do you’ve any? Please allow me recognize in order that I could subscribe.
    Thanks. cheap flights http://1704milesapart.tumblr.com/ cheap flights

  12. I was able to find good info from your articles. ps4 games https://bit.ly/3z5HwTp ps4
    games

  13. Hi, Neat post. There is an issue along with your website in web
    explorer, might check this? IE nonetheless is the marketplace leader and a good part of people will pass over your great writing because of this problem.
    scoliosis surgery https://coub.com/stories/962966-scoliosis-surgery scoliosis surgery

  14. www.iherb.com disse:

    Have you ever considered about including a little bit more than just
    your articles? I mean, what you say is fundamental and all.
    But just imagine if you added some great visuals or videos to
    give your posts more, “pop”! Your content is excellent but with pics and videos, this
    website could definitely be one of the most beneficial in its field.
    Good blog! quest bars https://www.iherb.com/search?kw=quest%20bars quest bars

  15. Ventilatie disse:

    516752 111164This design is wicked! You definitely know how to keep a reader amused. Between your wit and your videos, I was almost moved to start my own blog (well, almost…HaHa!) Great job. I really loved what you had to say, and more than that, how you presented it. Too cool! 449299

  16. 661654 326734I ought to appear into this and it would be a difficult job to go more than this completely here. 544792

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *